Shiva e o beija-flor - Ailton Krenak e Satish Kumar

Transcrição do diálogo no Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Selvagem - Ciclo de estudos sobre a vida
Junho 2024




O mundo é muito barulhento. Em qualquer lugar fechamos o olho... nós podemos aprender a selecionar quais os sons que a gente quer ouvir. Tem um povo muito antigo aqui nessa região da mata Atlântica, são os Guarani, e essa cultura Guarani entende que é possível escapar desse barulho se refugiando num bosque, numa mata escura, no mais profundo do nosso ser, e dizem: vá atravessa a floresta, vai mais longe, vai mais fundo, muito muito muito longe, lá você vai encontrar uma mata escura, lá só tem névoa. Fique lá dentro e tudo me volta silencia. É um tipo de meditação, é um acesso livre, não precisa nenhuma iniciação. Eu achei esse lugar pra fazer essa troca que nós chamamos de aprendizagem. Aprender sobre esse mundo aqui fora. Para fazer esse percurso a gente pode ter a facilidade de fazer ele dentro dessas copas, é um privilégio maravilhoso mesmo estando no Rio de Janeiro. Não parece que essa metrópole é uma metrópole barulhenta, mas o bosque, o Jardim Botânico essa multidão de árvores, seres vivos que estão aqui, elas absorvem essa violência toda, transmuta isso e nos permite ficar aqui dentro desse pequeno bosque... na nossa mata escura. Só alguns pássaros chegam aqui.

Many Indus cultures around the world have found peace and meditation in Nature. For example, the Indian sadhus and meditators go into Himalayas and sit by the falls and the spring of Ganges in the Himalayas and are blessed by the eternal peace and harmony of Nature and humans, where humans and Nature are no longer separate, they are totally united. Humans are as much Nature as Nature there. But in our metropolis and our industrial civilization we have separated humans from Nature and we see Nature out there and human separate from here. And then we start to think that we humans are above Nature, we are not Nature, we are separate from Nature and we are above nature, so, in order to find that golden silence that you talked about we have to feel that we are one with Nature and we are Nature and we are not separate from Nature.

Pessoas em vários lugares do mundo anseiam por essa religação com o que chamam de Natureza e ao mesmo tempo que anseiam por isso, consomem essas imagens de Natureza da indústria, de alimentos, da indústria de cosméticos, da indústria de tudo... que se apropriou de uma ideia de Natureza, que pode ser manipulada que pode ser apropriada que pode ser cosmetisada, mas na verdade as pessoas estão sendo enganadas com uma ideia sobre a natureza. É uma ilusão essa natureza vendida pela indústria é farmacêutica, de cosméticos, de cuidados. Ela é uma mentira. Essa natureza não existe. Nós dois já sabemos que essa ideia de Natureza é uma ideia produzida por nós humanos tanto que em muitas línguas antigas não existe a palavra Natureza. Na língua familiar do meu povo Krenak não existe uma palavra para Natureza, seria alguma coisa como "eu mesmo". Meus parentes Yanomami, Xavante, Guarani eles não tem uma palavra para Natureza. Centenas de línguas nativas originárias milenares não tem a palavra Natureza. Eu já é ouvi a afirmação de que a palavra Natureza nasce com a modernidade. 

Even when there is a word for Nature people have forgotten even the Latin word for Nature. People have forgotten the true meaning of the word. Nature comes from natal, and natal means birth, like pre-natal, post-natal, pre-birth, post-birth. So Nature simply means being born. So whatever is born is in Nature. Humans are born, humans are Nature. Trees are born, trees are Nature. All animals are Nature, but now we think that humans are not Nature. Only trees and animals and birds and rivers are Nature. That is the problem in our modern thinking. So even if you take the meaning of the word Nature in English, and in Latin, and in European languages, if we see the true meaning then all living beings are equal because we are all born. There is no hierarchy between humans and Nature, humans and animals, humans and forests. So there is no hierarchy all at the same level, they are all born, they are all equal, but our industrial system and urban city mind, and the education we have creates new meaning that Nature is only as a resource for the economy, for making money, for business, for industry, for profit and so there is no other value of nature. Then economic value is where we have fallen down in a such a situation as we have today.

Tem uma pequena história sobre o beija-flor que observando é Caos e sabendo que é muito grande a confusão, ele busca com o biquinho uma gota de água no oceano e tenta apagar aquele fogo. Eu sou animado a imaginar que nós estamos repetindo o gesto do beija-flor. Entendo que tudo o que nasce é natural, mas que não existe Natureza e nós vamos com nossa gotinha no oceano não temos nenhum propósito porque nós sabemos que esse vasto oceano já está muito muito muito forte, estabelecido, e que tudo o que a gente pode fazer é o trabalho do beija-flor com isso nós podemos cultivar esse lugar pequeno onde nos recolhemos e meditamos.

The word Nature, I would like to go to the true meaning of Nature. And Nature is nothing other than life itself. Nature is life, Nature is birth, therefore life. And therefore we need to go back to the true meaning of word Nature even in English. Of course it let in our indigenous cultures and indigenous languages, there is no separation between humans and Nature. But in our European languages, we have the word. But even if we go to the etymological meaning of the word is a good meaning. Nature means life.

Eu tenho ouvido também de outros amigos, outros colegas. Essa reafirmação do princípio da vida. A vida cósmica, a vida em todos os organismos, em tudo o que a gente pode imaginar é contemporâneo. Nosso Emanuelle Coccia. Ele já esteve aqui No Rio de Janeiro. Visita o Brasil com alguma regularidade. Ele é professor de uma das escolas lá na França, em Paris. E ele tem divulgado um entendimento de que a vida passa de um estrutura de um organismo para o outro. Sempre sendo vida. Ele dá um exemplo muito bom para as pessoas que não conhecem essa tese sobre a vida em todos os corpos. Ele busca o exemplo da lagarta, a lagarta que faz o casulo e depois sai uma borboleta. É a mesma vida que antes estava naquele casulo, passando pela lagarta e sendo borboleta. Esses diferentes corpos não sabem o que já foram antes. Mas agora eles são e é a vida que faz essa lagarta. É uma máquina de comer folhas. Ela se enche de folhas, depois ela muda o ciclo dela, e agora ela vai eclodir dali, aquela mesma vida, agora num outro corpo que é a borboleta. Aquele corpo antigo não lembra da experiência nova da vida, essa ideia da vida atravessando esse bambu? Há vida atravessando esse chão. Há vida atravessando esse móvel do banco. Há vida no pássaro. Há vida também no avião, no helicóptero. Há vida em tudo. É tão maravilhoso. Não sobra nada que não seja vida. E nada que não seja natural. Então, tudo o que é natural é vivo e essa maravilhosa transmutação. É o que move o mundo. 

Language is only a weak instrument to communicate what you really want to communicate. Therefore the problem is not with the language, the problem is with our industrial civilization. Industrial civilization turns not only the world out there, the trees, the animals, the soil, the land, into an economic resource, it turns also humans into an economic resource. And so humans have become a HR, human resources. So every business, every government, every industry has a HR department to show humans are only a resource for making profit, running an organization and making money and running the industrial system. Our whole educational system has been turned and all our children are being educated to fit in the industrial system, in the economic system. And there is no other human value and there is no other value of nature. So it's a problem, is not with the language, the problem is with the industrial civilization.

Parece que o século 21 está dando uma torção no sentido da linguagem. Nós estamos vivendo uma experiência muito nova globalmente. Em que uma mensagem disparada de algum lugar faz calamidade global. Esse novo meio, essa nova ferramenta de linguagem, ela adultera toda a experiência de linguagem anterior, porque agora ela pode ser. Emitida de um robô, de um chat, um gpt, uma coisa assim. Que criam um abismo entre aquele que emite a palavra, que manda o sinal de linguagem e nós todos que recepcionamos a mensagem. É tudo o que foi experimentado no século 20 sobre linguagem, todos esses caras, eles estão todos vencidos. E muitos dos nossos pensadores humanistas também já ficaram para trás. Porque eles acreditavam que a linguagem era um truque. As corporações globais sabem disso. Um sujeito pode ser dono de todos os meios que dominam a linguagem. Do que eles chamam de Inteligência. Inteligência artificial. As mídias, a reprodução incessante de mensagens, são linguagens dominadas por uma ideologia e por um propósito. A gente pode ir além da ideia do capitalismo.

But is it centralization. You rightly mention its a centralization of communication, centralization of education, centralization of economy, creating all a monoculture and uniformity of everything and destroying the diversity, destroying the biodiversity and cultural diversity and linguistic diversity. So this industrial, urban culture is causing these problems. And therefore we have to find a more decentralised, more localised, more land based new culture. Then we can maybe move forward. The industrial system is geared towards mass production, mass consumption, mass distribution, uniform, centralised system. And this is one. So the problem is when the system language is only a week cycle to communicate, unless you change the system of industrial production and mass consumption and uniformity and centralised, whatever language you use, this system will continue. So we have to change the system. Rather than just change the words. We have got urban cities, all the other education has been talked about before. Our education is being geared towards this industrial system. So whatever you do, they are all leading towards this industrial mass production.

Eu citei a imagem do beija-flor com a pequena gota nesse oceano incendiário. E eu busco de novo essa imagem do beija-flor para reconhecer que nós não temos como recuperar o estrago que os séculos 19, 20, 21 estão causando nesse universo da linguagem, da educação, das relações interpessoais, aquela parte da humanidade que ainda não descolou do chão. Essa parte viva da humanidade, ela pode produzir mais sentidos de vida. Criaram um efeito revitalizante no organismo doente. Mas seria uma aventura sem fim imaginar que nós vamos entrar nesse organismo necrosado. E revitalizar ele no sentido da vida, no planeta, na Terra, porque nós vivemos um momento bélico.

We all need to become hummingbirds, and act like hummingbirds. And that means leaving this industrial urbanised economic system. And creating something back to the land, back to the soil and back into our mother. Unless we become hummingbirds and start to put a drop of good water in this burning industrial system, we cannot do anything, so we have to become hummingbirds.

O Brasil é um país com muitas características do terceiro mundo. Isso significa que ele ainda tem muitas camadas que a gente poderia considerar como orgânicas, mas não são todos os países do mundo que tem essa possibilidade de retorno à Terra, e alguns países já estão num estágio tão avançado de necrose que se eles tiverem que voltar para a Terra, provavelmente eles vão voltar para a terra dos outros. Nós estamos assistindo guerras simultâneas em vários continentes para tomar terra dos outros. Israel tomando terra da Palestina, a Rússia tomando a terra da Ucrânia. Nós temos uma centena de conflitos bélicos no planeta, tomando terra uns dos outros, eu mesmo, desde jovem luto aqui nesse país para que os povos indígenas tenham respeitada a sua territorialidade. O seu lugar de ficar na Terra.

Perhaps you know all people in Brazil now are people of Brazil. And everyone living here has to find a livelihood in this land. Because Brazil is a very big country and I think all the people who are here can be accommodated and find livelihood for them, if they live in a sustainable way, of course. Indigenous wisdom industries, culture, indigenous communities. We must must respect and we must make sure that we learn from indigenous cultures, we learn from indigenous wisdom. They are our ancestors and without their wisdom we are lost. At the moment we face problem with the world because we have lost the Indigenous culture, indegenous wisdom and we think the indigenous people are backward, uneducated, undeveloped, they need to be civilized. Thats the mistake that we are making. So if we can return to the respecting our indigenous cultures, then we can learn from them how to live in harmony with nature. At the moment people go to take the land, they don’t take land for livelihood. They take land for roads, for airports, for shopping malls, for cities. They take land for industrial purpose. They don’t take land to live a good harmonious life. On the land, so Indigenous cultures and Indigenous people, Indigenous communities can teach us how to live in harmony with the land and with nature and with the soil. And with animals so its not the people who are problem, its not the language problem, is the problem with industrial civilization again I can back to that.

Dediquei um tempo para compreender essas economias que conseguiram dominar as realidades dos povos no mundo inteiro, inclusive na China. Eu não vejo nenhuma outra economia no planeta que não seja essa que nós chamamos de O Sistema. A gente chama ela de Sistema exatamente porque ela é sistêmica, ela está em tudo, esse amplo sistema. Ele é tão absoluto que se nós ficarmos gritando de dentro dele, que nós queremos substituir ele. Nós estaríamos fazendo como um pequeno grilo. Um pequeno inseto. Gritando aqui dentro dessa cúpula, que nós vamos derrubar esses bambu. Eu ainda tenho disposição de continuar aprendendo. Compreendendo esse fenômeno planetário e observando a surpreendente natureza dos humanos me faz acreditar que os Sapiens são um serial killer. E eu não quero salvar ele.

This system is self-destructive. This is not going to last forever. 

Hey Hey Hey, Hey, Hey… (saem dançando de mãos dadas)




Nenhum comentário:

Postar um comentário