Sociedade em rede e as habilidades relacionais

por Dado Salem
Fevereiro 2020



O presidente do Google Sundar Pichai tem afirmado seguidamente que a Inteligência Artificial causará mais impacto na humanidade do que o fogo e a eletricidade. O mundo está mudando tão rapidamente que tudo nos leva a crer que ele está certo e que estamos no meio de uma grande revolução. Se observarmos os exemplos do passado, constataremos que revoluções desta magnitude mudaram radicalmente nossa maneira de viver.


A primeira foi a Revolução Neolítica ou Agrícola que aconteceu há cerca de 12.000 anos. Aprendemos a plantar e domesticar animais, começamos a ter algum controle sobre a natureza. Deixamos o estilo de vida nômade, como caçadores e coletores e passamos a nos fixar à terra, vivendo em fazendas e pequenas cidades. A partir desse momento foram criadas as sociedades e as leis que as regem, como funciona até hoje. No livro 2 da República, Platão descreve com clareza e simplicidade como isso aconteceu.

Este modelo econômico social passou por algumas transformações mas se manteve relativamente inalterado até o século XIX quando veio a Revolução Industrial. Nesse período se formaram organizações verticalizadas focadas na produção em grande escala. Um dos seus efeitos mais marcantes foi a relação do homem com o trabalho e a consequente migração em massa para as cidades. Antes 80% das pessoas viviam em fazendas, hoje apenas 2% trabalham na agricultura. Éramos pessoas simples do campo, a partir da Era Industrial nos afastamos da natureza e nos tornamos seres urbanos.

Nos anos 90 veio a Internet que caiu como uma bomba na sociedade, produzindo mudanças radicais na nossa forma de viver e trabalhar. A comunicação, os meios de produção e o conhecimento, antes restritos e controlados por um pequeno grupo de pessoas e organizações, passaram a ser abertos e multidirecionais, permitindo a qualquer um produzir, comunicar e vender seus produtos e serviços globalmente, coisa antes possível somente para empresas multinacionais com sólidas estruturas. O espaço fisico geográfico se tornou menos relevante que o espaço virtual.

A transição da Era Industrial para a Sociedade em Rede provocou um novo arranjo social horizontalizado e descentralizado. Esta nova sociedade é extremamente ágil, inovadora e capaz de lidar bem com a complexidade, como descreveu o sociólogo espanhol Manuel Castells (2009).  Estruturada pela internet, smartphones, mídias sociais, inteligência artificial; e baseada em múltiplos atores trabalhando conectados, ela tem o poder de se adaptar rapidamente à mudanças de cenário, o que está causando profundas transformações em todos os setores e empresas.

A Sociedade em Rede interage de maneira colaborativa por meio do diálogo constante entre multiplos participantes. Dessas relações surgem novos conhecimentos e costumes que são compartilhados propiciando a criação de novos produtos e serviços num ciclo veloz e incessante.

Esta dinâmica reforça os conceitos frequentemente citados pelas organizações pós modernas como criatividade, empatia, co-criação, colaboração, trabalho em equipe... ou seja, nessa nova configuração organizacional da Sociedade em Rede, saber se relacionar é a principal habilidade que um profissional deve ter, não apenas para se destacar na sua carreira, mas também para permanecer no mercado. O poder não está mais em líderes individuais mas nos relacionamentos. Você está preparado?


Bibliografia
Castells, Manuel - The Rise of the Network Society, Wiley-Blackwell, 2009
Kenneth Gergen – Social Construction Entering the Dialog, Taos Institute Publ, 2008
Platão – República, Martins Fontes, 2006




Nenhum comentário:

Postar um comentário