Travessia para a vida adulta

Por Dado Salem
Abril 2022

Tornar-se adulto é um evento traumático e os pais tem um papel importante nesse processo.




Há coisas que são tão comuns a todos nós que podemos dizer que são universais. Uma delas é o desejo de viajar. Mais que o simples deslocamento físico, uma viagem representa a vontade do novo. De novas experiências, novos ares, novos horizontes, novos conhecimentos, novos desafios… e que no final conduzem à transformação, porque se fizermos uma verdadeira viagem, longa o suficiente, retornamos diferentes do que partimos. 

O texto mais antigo que se tem notícia, a Epopéia de Gilgamesh, apresenta justamente uma viagem. A do herói em busca da vida eterna, na Terra dos Vivos. Para chegar lá ele atravessa montanhas, florestas, mares, jardins e rios. Outro texto clássico cujo tema é a viagem é a Odisséia de Homero, que conta a longa e tumultuada jornada de Odisseu de volta para casa no final da Guerra de Tróia. Neste mesmo texto há também a viagem de seu filho Telêmaco em busca do pai, orientado por ninguém menos que Mentor, que veio dar nome à atividade de aconselhamento e no qual incorporou a deusa da sabedoria, Atená. Mentor (Atená) diz a Telêmaco que é a hora de deixar de ser criança e se tornar um homem. A viagem de Telêmaco representa, portanto, a passagem para a vida adulta.

A passagem para a vida adulta é um dos maiores desafios que enfrentamos. Na infância vivemos num mundo mágico em que as coisas são resolvidas para nós. No processo de nos tornarmos adultos, no qual precisamos prover nosso próprio sustento, arcar com as consequências de nossos atos, nos responsabilizarmos pela nossa vida, somos expulsos de uma zona de conforto. 

Tornar-se adulto é um evento traumático. Na natureza, a mãe pássaro empurra os filhotes para fora do ninho para que eles voem. Em sociedades tribais, os jovens passam por rituais em que muitas vezes têm que aguentar um sofrimento. Os Karajá, numa primeira iniciação, perfuram o lábio inferior dos jovens com a clavícula de um macaco. No Hetohoky, o maior ritual dos povos indígenas do Tocantins, as crianças são afastadas do convívio social e fazem uma viagem pela floresta onde adquirem aprendizados, para então retornarem adultas.

Inteligência e Sabedoria

por Dado Salem
março 2022


Sabedoria não é acúmulo de conhecimento nem pode ser mensurada num teste de QI. Inteligência é um dom que se recebe ao nascer. Sabedoria não. É algo que se desenvolve por meio de um longo estudo, exige tempo e demoradas reflexões que o tumulto e a polifonia da sociedade dificultam.



Dizem que estamos ficando mais inteligentes. Em países industrializados o QI médio da população subiu 3 pontos por década e aumentou incríveis 30 pontos no século XX(1) . Isso quer dizer que uma pessoa normal hoje seria considerada superdotada no início do século passado. E o que ganhamos coletivamente com esse avanço? Mercados transbordando de comida, água limpa encanada, pílulas que curam doenças, transportes rápidos e seguros, acesso a qualquer informação instantaneamente, uma abundância de bens materiais, maior longevidade etc. 

Ao longo do tempo nossa sociedade veio se estruturando em função da métrica da inteligência. O QI é um dos fatores que determinam onde as pessoas vão se formar, trabalhar e consequentemente, seu estilo de vida. Bill Gates foi claro numa entrevista: "o ponto chave para nós, em primeiro lugar, sempre foi contratar pessoas muito inteligentes"(2) . Adam Grant, psicólogo organizacional da Universidade de Wharton, revelou que os processos seletivos da maioria das grandes empresas são testes de QI disfarçados(3). O Google, por exemplo, não mede explicitamente as habilidades cognitivas de seus candidatos, mas quando pede para que eles resolvam oralmente os problemas propostos por um entrevistador, estão fazendo isso indiretamente. 

Mas apesar de todo esse progresso cognitivo e material, vivemos uma desigualdade crescente, uma epidemia de ansiedade e depressão, provocamos mudanças ambientais brutais que impactarão nossas vidas e principalmente as de nossos filhos e netos. Produzimos uma quantidade absurda de lixo, poluímos a terra, o ar, rios e mares, criamos armas nucleares potentes suficiente para destruir o planeta e temos líderes não só incapazes de mudar essa realidade como muitas vezes que contribuem para piorar as coisas.

Conhecimento e inteligência podem ser utilizados para o bem ou para o mal, de forma criativa ou destrutiva, e o aspecto negativo ocorre especialmente quando o foco é centrado em interesses particulares, sem observar aquilo que nos cerca, o contexto mais amplo. 

A ciência avança progressivamente por meio de um método que organiza e acumula o conhecimento ao longo do tempo de maneira que o saber atual é sempre superior ao de antigamente. O mesmo não pode ser afirmado com relação à sabedoria. Apesar de toda a ciência, não podemos dizer que somos mais sábios que pessoas que viveram há milhares de anos. Ou seja, ganhamos inteligência, conhecimento e tecnologia, mas não sabedoria.   

Sabedoria não é acúmulo de conhecimento nem pode ser mensurada num teste de QI. Inteligência é um dom que se recebe ao nascer. Sabedoria não. É algo que se desenvolve por meio de um longo estudo, exige demoradas reflexões que o tumulto e a polifonia da sociedade dificultam. Em geral estamos tão atolados com o dia a dia que não sobra tempo para cultivá-la. A sabedoria deveria ser praticada desde cedo porque alguns erros que poderiam ser evitados custam caro. E de que vale aprender no final da vida como poderíamos ter vivido? 

Sinais de mudança

Futuristas costumam dizer que os sinais do futuro já estão aí. Um pequeno grupo de pessoas começa a pensar e agir de uma determinada maneira. Aos poucos, se esse movimento cria força suficiente, depois de um tempo o novo comportamento é adotado coletivamente. 

Um desses sinais pode ser percebido na Tokyo Nutrition for Growth Summit em dezembro de 2021. Neste evento, investidores como UBS e PIMCO, que administram juntas US$ 12,4 trilhões em ativos, pediram a governos e empresas que acelerem as mudanças para promover alimentos e bebidas mais saudáveis. Os investidores reivindicaram aos formuladores de políticas que usem medidas fiscais e regulatórias e que as empresas de alimentos e bebidas se comprometam a relatar anualmente as vendas geradas por produtos saudáveis. Os investidores então usariam essas informações para orientar suas decisões de investimento. Se a moda pega, e as empresas não se ajustarem, o preço da mal nutrição pode vir a recair sobre aquelas que produzem alimentos nocivos à saúde. (leia a matéria abaixo)




Investors push food & drink companies, govts over 'nutrition crisis'
por Simon Jessop
Reuters
Dezembro, 2021


LONDON, Dec 7 (Reuters) - Investors managing $12.4 trillion in assets on Tuesday called for governments and companies to accelerate the shift to promoting healthier food and drink to help fix what they described as a "global nutrition crisis".

Poor-quality diets are a leading cause of death and disease and carry individual, societal and economic costs that impact the value of their holdings, 53 investors said in a pledge at the Tokyo Nutrition for Growth Summit 2021.

The investors, including PIMCO and UBS Asset Management, urged policymakers to use fiscal and regulatory measures to help support healthy packaged food and do more to meet the nutrition targets laid out by the World Health Organisation.