Largar a carreira para cuidar dos filhos tem seu preço

Harvard Business Review
por Kate Weisshaar
Fev 2018
Traduzido por Dado Salem

Pais que decidem ficar em casa para cuidar dos filhos, tem metade da chance de serem contratados do que aqueles que foram demitidos e ficaram o mesmo tempo fora do mercado de trabalho.



Voltar a trabalhar depois de um longo período em casa cuidando dos filhos pode ser difícil, mas é mais difícil do que para trabalhadores que perderam seus empregos? Minha pesquisa mostra que é o primeiro é pior.

Em pesquisa recente, descobri que muitos empregadores são tendenciosos contra os candidatos a emprego que ficaram temporariamente em casa com seus filhos, e mesmo preferem os candidatos demitidos que estiveram fora do mercado de trabalho pelo mesmo período de tempo.

Este estudo baseia-se na pesquisa existente sobre os desafios que os candidatos a emprego desempregados experimentam ao tentar encontrar novos trabalhos. Embora os pesquisadores tenham estudado por que os pais decidem deixar o trabalho para ficar em casa com seus filhos, pesquisas anteriores não revelam uma compreensão clara do que acontece com esses pais quando eles decidem voltar ao mercado.

Neste estudo, enviei currículos fictícios para verdadeiras oportunidades de trabalho. Desenvolvi um conjunto de currículos para representar três tipos de candidatos: candidatos atualmente empregados sem lacunas de emprego, candidatos desempregados e candidatos que optaram ficar um tempo em casa para cuidar dos filhos. Os nomes masculinos ou femininos fizeram com que os candidatos pareciam ser homens ou mulheres. Os materiais de aplicação implicavam que todos os candidatos fictícios eram pais e todos os candidatos tinham o mesmo nível de experiência, número de empregos e habilidades. Aqueles que tiveram lacunas de emprego estavam fora da força de trabalho há 18 meses.

No período de vários meses de 2015 a 2016, enviei um total de 3.374 currículos para listas de emprego em 50 cidades dos EUA para contadores, analistas financeiros, engenheiros de software, gerentes de RH e diretores de marketing. Acompanhei em seguida quais candidatos receberam pedidos de entrevistas ou mais informações (um "retorno de chamada").

Os resultados mostram o quão fortemente os pais que querem reentrar à força de trabalho são penalizados pelo tempo fora do mercado: 15,3% das mães empregadas, 9,7% das mães desempregadas e 4,9% das mães que ficam em casa receberam um retorno de chamada.

Os resultados foram semelhantes para os pais. Enquanto 14,6% dos pais empregados e 8,8% dos pais desempregados receberam um retorno, apenas 5,4% dos pais permanecem em casa obtiveram interesse por seus currículos.

Em poucas palavras, os pais que optam por ficar em casa têm aproximadamente metade da probabilidade de receber uma chamada de retorno de potenciais empregadores do que pais desempregados e apenas um terço dos pais empregados.

Por que os empregadores são menos propensos a querer entrevistar os pais que optam por ficar em casa? Examinei atitudes a respeito desses tipos de candidatos a emprego, solicitando a pessoas que lessem dois currículos fictícios e avaliassem os candidatos com base em quão capazes, comprometidos, confiáveis e merecedores de um trabalho eram. De forma semelhante os currículos foram manipulados experimentalmente, de modo que a única diferença entre o currículo do candidato desempregado e o currículo dos pais que optaram por ficar em casa, fosse o motivo dado ao tempo sem emprego.

Neste experimento, descobri que as pessoas consideravam os candidatos desempregados e os candidatos que ficavam em casa como menos capazes do que os candidatos empregados, talvez pensando que suas habilidades se tornaram desatualizadas enquanto não estavam trabalhando.

Os entrevistados consideraram os pais que ficaram em casa como menos confiáveis, menos merecedores de trabalho e - a maior penalidade - menos comprometidos com o trabalho, em comparação com os candidatos desempregados. Curiosamente, nesta pesquisa notei que os pais que ficaram em casa são percebidos como ainda menos comprometidos e confiáveis do que as mães que ficam em casa. Isso pode ser porque os pais enfrentam as expectativas para prover suas famílias e os entrevistados consideraram negativamente os pais permanecerem casa.

Essas descobertas sugerem que os empregadores estão preocupados com a prioridade da família do pai que optou por ficar em casa. Os empregadores podem se preocupar que tal candidato decidirá deixar o trabalho novamente ou que enfrentará dificuldades de transição para o trabalho.

Essas preocupações podem ser desencadeadas porque os pais que ficam em casa violam expectativas onipresentes de que os funcionários devem dedicar-se completamente ao trabalho e priorizá-lo em contrapartida a outras áreas da vida - o que os sociólogos chamam de normas ideais dos trabalhadores.

Essas normas ideais dos trabalhadores podem ser problemáticas para os pais que desejam trabalhar. Locais de trabalho inflexíveis e culturas de trabalho exigentes que promovem longas horas de trabalho e exigem dos funcionários estarem sempre disponíveis, podem contribuir para que esses pais saiam do trabalho. Este estudo mostra que essas normas produzem um ciclo vicioso: eles empurram alguns pais para fora do trabalho e depois os mantêm em casa evitando que recuperem o emprego. Até que reavaliamos as normas e expectativas aplicadas aos empregados, é provável que os pais que escolhem permanecer em casa continuem a enfrentar limites às suas carreiras.

- Kate Weisshaar é professora assistente do Departamento de Sociologia da Universidade da Carolina do Norte - Chapel Hill. Ela recebeu o diploma de bacharel na Northwestern University e seu grau de doutorado em Stanford.

Um comentário: